Seis mudanças irreversíveis que a pandemia trouxe ao varejo

Que algumas tendências e processos que estavam em caminho foram acelerados durante a pandemia todos sabem. Entretanto, há muitas outras variantes que surgiram para transformar estruturalmente o mercado.

Marcos Gouvêa de Souza, fundador e diretor-geral do Grupo GS& Gouvêa de Souza, apontou algumas mudanças que serão permanentes no universo do varejo. Sua chegada inclui uma adaptação do mercado, dos lojistas e também do consumidor, que ditará as novas formas de comprar. Entenda melhor essas mudanças:

1 – Home office permanente e economia de espaços

“Havia uma leve tendência de o home office crescer. Estimava-se que, em 21 anos, chegaríamos ao patamar que atingimos em três meses”, avalia Marcos, explicando que, com essa nova realidade, as empresas se deram conta de que é possível economizar espaço com escritórios menores e tornar a vida mais simples, sem horas gastas no trânsito, por exemplo.

2 – Mudança estrutural do mercado

Com um menor deslocamento de pessoas, que passarão mais tempo em casa, toda a estrutura do varejo mudará. “As pessoas mudarão o local em que fazem compras, usarão mais o delivery como alternativa de refeição, etc.”, completa o executivo.

3 – Reformulação de eventos e viagens

Sabe aquelas viagens de negócios ou feiras que reuniam milhares de pessoas? Isso deve ser bastante impactado. “Com as lives, conseguiremos promover eventos que, em vez de 2 mil pessoas, podem receber 10 mil, por exemplo”, explica Marcos. E isso trará um impacto direto sobre a indústria de hotéis, turismo, alimentação, entre outros segmentos.

4 – Mudança de perfil do omniconsumidor

O consumidor DC (Depois do Coronavírus) será muito mais preocupado com a saúde, qualidade da alimentação, locais que frequenta, higiene e quanto tempo fica em um espaço. Tudo isso altera também o perfil de gastos da população, abrindo novas possibilidades de negócio em muitas áreas.

5 – Alteração de valores

“As empresas estão pesquisando, analisando, querendo entender para onde as coisas vão para se reposicionarem no que diz respeito a canais, produtos, embalagens, estratégia de distribuição e lojas”, conta Marcos. Agora, todos devem aprender a valorizar mais a questão de conveniência e proximidade.

6 – Nova rotina de trabalho

É quase unanimidade que estamos mais produtivos durante o período de quarentena. “Trabalhamos mais horas, perdemos menos tempo em deslocamento e há um senso de urgência que não havia no passado”, explica Gouvêa. Soma-se a isso uma pressão para reduzir custos e elevar o faturamento – um desafio herdeiro do Agile Digital que deve alterar permanentemente a maneira de trabalhar.

Estima-se que o comércio eletrônico no Brasil possa chegar a R$ 100 bi de faturamento em 2020 – crescimento de 61,5% em relação a 2019. Adaptar-se a essa nova realidade é fundamental para sobreviver em um mundo que certamente não será mais o tempo – em todos os sentidos. Outro ponto importante será o Direto ao Consumidor. Após esse período, ele será ainda mais acessível, já que marcas e fornecedores de produtos e serviços estarão ainda mais próximos do consumidor.

Mudança de cultura organizacional, agilidade e foco no consumidor serão primordiais nas companhias, sejam elas pequenas ou gigantes. Vale destacar que, com a proliferação de ofertas online, a concorrência aumenta e ganhará terreno quem prestar o melhor serviço e oferecer a melhor experiência de compra. 

Fonte: Mercado & Consumo

Pandemia traz mudanças no comportamento do consumidor

Em meio à pandemia, com o fechamento estendido do comércio, suspensão de ações esportivas e culturais e a recente retomada das atividades comerciais, ainda teremos muitos desafios a superar. O coronavírus trouxe não apenas uma crise de saúde de inimagináveis proporções, mas também representa um divisor de águas na ordem econômica e social mundial.

Além da maior dificuldade de acesso aos produtos e serviços imposta pelo isolamento social, houve uma retração no consumo devido à queda na renda de grande parte da população e a insegurança nos empregos. De acordo com dados do Indicador de Atividade do Comércio da Serasa Experian, as vendas no varejo na semana do Dia das Mães, por exemplo, registraram queda de 30,7% em relação ao mesmo período do ano passado, mesmo com empresários se reinventando para vender online e por meio de entregas.

Em seu recente documento “O novo consumidor pós COVID”, a McKinsey & Company aponta incerteza sobre a futura retomada do consumo e que empresas resilientes, que geraram mais valor nas fases de recuperação e de crescimento, sairão vencedoras. Segundo o relatório, empresas resilientes direcionam esforços simultaneamente para responder (garantir medidas apropriadas de resposta à crise e continuidade da operação), retornar (gerenciar o período de crise e endereçar oportunidades para uma retomada mais saudável e rentável) e reimaginar (como será o “novo normal” e definir implicações em como a empresa deveria reinventar e desenhar a estratégia e operação).

O documento revela, ainda, o quanto a crise está afetando a vida dos brasileiros: cerca de 80% estão pessimistas ou inseguros em relação à economia, 40% têm medo de perder o emprego, 50% tiveram a renda reduzida e 70% estão cortando gastos.

Mesmo com a tendência de melhora apresentada nas últimas semanas, o padrão de consumo no futuro ainda é difícil de prever. Mas, algumas mudanças de comportamento são esperadas para o “novo normal”: digital onipresente, consumo repensado, aumento da (in)fidelidade, casualização e indulgência, o novo papel da casa, saúde e qualidade de vida, consumo seguro, sustentabilidade redefinida e desvalorização da metrópole.

Importante ressaltar que a crise COVID-19 acelerou o processo de digitalização do Brasil e o consumidor brasileiro passou a realizar online atividades que não imaginava antes da crise. Houve, ainda, aumento substancial do e-commerce e a aceleração do investimento em mídia digital, para reforçar a conexão afetiva com consumidores.

Neste cenário de crise, as empresas perceberam que conectar-se aos clientes digitalmente é mais importante do que nunca. Por passarem mais tempo em casa, as pessoas estão mais conectadas do que antes. Este é o momento de avaliar a atual maturidade das empresas na Internet e dar um novo passo, começando a investir em presença nas redes sociais, no desenvolvimento de um site e em estratégias digitais.

Serviços de manutenção em todo o Iate

O Iate está ficando cada vez melhor para quando puder reabrir as portas e receber os Associados. Os serviços de manutenção em todo o campus continuam incessantemente.

Esta semana a equipe da Diretoria de Operações e Logística realizou, entre outros serviços, uma limpeza na orla do Lago Paranoá. O Espaço Poliesportivo Sul também recebeu limpeza minuciosa em toda sua extensão, incluindo o lustre. Esse serviço se estendeu aos vidros, na área externa, na entrada do Clube, e ao Quiosque do Atleta. O mesmo aconteceu com o local onde ficava o Restaurante do Farol, que passou por limpeza integral, inclusive no telhado. Os colaboradores do setor também fizeram a limpeza e higienização do bebedouro da Tribuna do Futebol.

O DOL está reformando os jardins em frente às quadras de Tênis, reformulando o jardim em frente à Sede Social e continua executando a limpeza da área nobre, atrás dos galpões da Engenharia. O serviço já chegou à área da reciclagem. As equipes fizeram a retirada de ervas daninhas de todo o gramado. Foi realizada também a recuperação do gramado e a retirada de piso de concreto na área das piscinas infantis.

No Iate TV, foi realizada a limpeza geral, a manutenção nos aparelhos de ar condicionado, das luminárias e das máquinas de café. As escadas do toboágua receberam pintura nova e foram instalados os móveis novos na churrasqueira G1.

Ensino em casa: qual o limite da cobrança com os estudos no isolamento?

Aula online

“Quarentena não é sinônimo de férias”, defende boa parte dos especialistas em educação. Mas, o momento causa grande ansiedade nos pais que se vêem imersos em um novo mundo de aulas online e com diversas dúvidas acerca do nível de cobrança com as crianças e o provável atraso no conteúdo. O mais importante é manter a calma e buscar a resiliência diariamente, já que com a família também trabalhando em casa, a nova rotina escolar pode virar uma bola de neve.

Para a psicopedagoga Gilcéa Vargas Zanette, a palavra-chave é equilíbrio. Segundo ela, é sempre importante ter alguma rotina, boa alimentação, horário de sono, estudo, lazer. “Penso que tem que ter o momento de estudo, de preferência no horário que seria da aula, só que isso não precisa ser tão engessado. As crianças cansam. Não é cobrar o filho como se fosse professor”, explicou.

O isolamento social também é momento de conexão familiar. É preciso mudar a perspectiva da perda do conteúdo de sala de aula para entender o que é possível ganhar com a convivência em casa. O que estamos vivendo hoje é uma situação única. Podermos trabalhar solidariedade, respeito, cuidado com o outro, conteúdos tão importantes neste momento, quanto os da escola. Confira dicas de especialistas para encontrar o equilíbrio quando o assunto são os estudos em casa no período da quarentena:

  • Planeje-se: Combine com a criança a rotina para cada dia. Levar em consideração as preferências dos filhos é essencial. Planeje horário de acordar, lazer, hora do banho, refeições, etc. Deixe ela participar da organização do dia, isso traz mais responsabilidade e vontade de cumprir o combinado, incluindo as tarefas escolares.
  • De olho na alfabetização: Aprender a ler e a escrever pode se tornar um desafio ainda maior com a falta das aulas durante a quarentena. Mas, é possível seguir na alfabetização em casa, de forma lúdica e sem cobranças. Puxe da memória suas próprias brincadeiras da infância, como soletrar, de procurar o que tem na sala que começa com uma determinada letra, caça ao tesouro com bilhetes, de supermercado colocando o nome e o preço dos mantimentos, entre outras.
  • Explore os recursos online: Há muitas opções de qualidade, aplicativos didáticos, sites interativos e uma infinidade de ideias quando a criatividade chega ao limite. Pode ser um ótimo auxílio, principalmente para as mães que não contam com as tarefas enviadas pela escola. 
  • Mude o rumo: Você planejou uma brincadeira muito bacana com a criança, mas o pequeno estava desatento, ou não se interessou pela atividade proposta. Tudo bem, faz parte. Realinhe as expectativas e não se culpe.
  • Além do óbvio: Fazer uma receita em família, ver um filme, discutir o enredo e por aí vai: ensino não se resume a exercícios no caderno. Mais uma dica: utilize os próprios interesses da criança para desenvolver as atividades.
  • Faixas etárias: Quanto menor a criança, menos capacidade de tempo para fixar a atenção. Uma criança em fase de alfabetização, até uns 10 anos, poderia ficar uma hora, no máximo duas. Já os adolescentes, a partir dos 11 e 12 anos, pode-se ampliar um pouco a carga, ir para três horas, por aí. Mas sempre com a premissa que a quantidade não quer dizer nada, precisa de qualidade.
  • Não se cobre: Com o home office, é difícil ter tempo livre para gerir trabalho, estudo dos filhos, almoço, banho, lazer, tudo no mesmo ambiente. É preciso se reinventar, mas sem pressão. O dia foi tão corrido que só conseguiram assistir a um filme em família? Tudo bem. Não se cobre tanto.
  • Mantenha o diálogo: É tempo de se conectar ainda mais com os filhos. Converse abertamente sobre o que está acontecendo, buscando uma linguagem adequada a cada idade, para criar um ambiente mais seguro e acolhedor.
  • Fique junto: Aproveite o isolamento para criar uma conexão, cumplicidade dentro de casa. Treine a empatia com as crianças, tentem se colocar no lugar de outras pessoas. Uma dica é explicar como você se sente. Façam planos, planejem o futuro, para quando tudo isso terminar, quando finalmente for superado.

Fonte: Gauchazh

Visite 10 museus sem sair de casa

Em tempos de coronavírus, a principal recomendação é circular o mínimo possível e evitar grandes aglomerações. Muitos museus importantes do mundo estão fechados por tempo indeterminado. Mas, muitos deles disponibilizaram seu acervo on-line. É possível fazer uma verdadeira viagem pela história da arte. Confira uma seleção com 10 museus que disponibilizaram parte de seus ricos acervos on-line ou que oferecem visitações virtuais. 

  • Pinacoteca di Brera, Milão

O centro cultural localizado na Itália contém uma das mais importantes coleções de arte italiana. Entre os destaques, há obras do mestre Giambattista Pittoni.

  • Galleria degli Uffizi, Florença

Um dos acervos mais incríveis do mundo, reúne obras de Leonardo da Vinci, Botticelli, Caravaggio, entre outros. 

  • Musei Vaticani, Roma

O Museu do Vaticano tem mais de 7km de extensão. Além de obras importantíssimas, o espaço também abriga artefatos históricos, um dos afrescos mais importantes de Rafaello Sanzio e um corredor dedicado somente aos mapas antigos.

  • Museu Archeologico, Atenas

O maior da Grécia e um dos mais importantes do mundo. Sua coleção, com mais de 11 mil exposições, oferece um panorama da cultura da Grécia antiga da pré-história até a antiguidade.

  • Museo del Prado, Madrid

O mais importante museu da Espanha e um dos mais notáveis do mundo, o Prado tem entre os destaques o quadro “As Meninas”, de Diego Velázquez. A coleção é bastante completa, com obras da pintura espanhola, francesa, flamenga, alemã e italiana.

  • Louvre, Paris

Talvez o museu mais famoso do mundo, permite que os internautas façam visitas on-line por suas salas de exibição e galerias, além de contemplar a arquitetura do espaço. É possível ver antiguidades egípcias e também a Galeria d’Apollon.

  • British Museum, Londres

Fundado em 1753, tem uma coleção de cerca de 8 milhões de objetos que narram mais de 2 milhões de anos de história. No tour on-line, é possível ver alguns dos primeiros artefatos criados pelos homens até trabalhos de artistas contemporâneos.

  • The Metropolitan Museum, Nova York

Em uma parceria com o Google Arts & Culture, é possível ver a coleção de um dos mais importantes museus da cidade americana. Em vídeos 360º, você pode passear pelos corredores e explorar algumas das peças do arquivo do centro cultural.

  • Hermitage, São Petersburgo

Este é um dos maiores museus de arte do mundo. Sua vasta coleção possui itens de diversos períodos da história, assim como de muitos estilos e países. Há obras de Leonardo da Vinci. Sua biblioteca possui mais de 700 000 títulos sobre arte, cultura, arquitetura e história.

  • National Gallery of Art, Washington

O museu americano está entre os dez mais visitados do mundo. Sua coleção apresenta mais de 150 000 esculturas, mobiliário, fotografias, pinturas e ilustrações. Entre os destaques, estão obras de Rafaello Sanzio, Velázquez, Tiziano, Rembrandt e Vermeer.

Higienizar as mãos é fundamental para evitar a transmissão de doenças

Em tempos de pandemia a recomendação mais ouvida atualmente é: “lave bem as mãos”. Este hábito é um grande aliado para evitar a transmissão de doenças.

Em 2009, bem antes do surgimento do novo coronavírus, a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou uma campanha que definiu o 5 de maio como Dia Mundial de Higienização das Mãos. O objetivo é reforçar a importância de lavar as mãos, principalmente como medida de prevenção às infecções – entre profissionais de saúde e pacientes.

Pode parecer um ato simples, mas a limpeza correta das mãos é a ação mais eficiente para o controle de infecções e prevenção da transmissão de microrganismos. O álcool gel pode ser utilizado na ausência da possibilidade de limpeza, mas a lavagem é fundamental.

A pandemia fez com que as pessoas se tornem mais conscientes e exigentes com o cuidado das mãos. Assuntos do tipo “como lavar as mãos corretamente” e “importância de lavar as mãos” tiveram, respectivamente, um aumento de 180% e 140% nas buscas do Google nos últimos 12 meses.

Confira algumas dicas para uma boa higienização da mãos:

  • molhe as mão com água corrente;
  • ensaboe as mãos até a o meio do antebraço;
  • esfregue a espuma entre os dedos, costas das mãos e unhas;
  • siga com a lavagem pelo tempo médio de 20 segundos;
  • enxague as mãos e braços em água corrente;
  • seque com papel toalha.

Uso indicado das máscaras caseiras

Mascara

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária divulgou algumas orientações a respeito do uso correto das máscaras caseiras. Confira:

FORMA DE USO

Antes de colocar a máscara no rosto deve-se:

a. assegurar que a máscara está em condições de uso (limpa e sem rupturas);

b. fazer a adequada higienização da mão com água e sabonete ou com preparação alcoólica a 70% (cubra todas as superfícies das mãos e esfregue-as juntas até que se sintam secas);

c. tomar cuidado para não tocar na máscara, se tocar a máscara, deve executar imediatamente a higiene das mãos;

d. cobrir totalmente a boca e nariz, sem deixar espaços nas laterais;

e. manter o conforto e espaço para a respiração;

f. evitar uso de batom ou outra maquiagem ou base durante o uso da máscara.

ADVERTÊNCIAS

a. não utilizar a máscara por longo tempo (máximo de 3 horas);

b. trocar após esse período e sempre que tiver úmida, com sujeira aparente, danificada ou se houver dificuldade para respirar;

c. higienizar as mãos com água e sabonete ou preparação alcoólica a 70% ao chegar em casa;

d. retire a máscara e coloque para lavar;

e. repita os procedimentos de higienização das mãos após a retirada da máscara; e

f. não compartilhe a sua máscara, ainda que ela esteja lavada.

LIMPEZA:

Ao contrário das máscaras descartáveis, as máscaras de tecido podem ser lavadas e reutilizadas regularmente, entretanto, recomenda-se evitar mais que 30 (trinta) lavagens.

a. a máscara deve ser lavada separadamente de outras roupas;

b. lavar previamente com água corrente e sabão neutro;

c. deixar de molho em uma solução de água com água sanitária* ou outro desinfetante equivalente de 20 a 30 minutos;

d. enxaguar bem em água corrente, para remover qualquer resíduo de desinfetante;

e. evite torcer a máscara com força e deixe-a secar;

f. passar com ferro quente;

g. garantir que a máscara não apresenta danos (menos ajuste, deformação, desgaste, etc.), ou você precisará substituí-la;

h. guardar em um recipiente fechado.

* Para preparar uma solução de água sanitária (2,5%) com água, por exemplo, você pode diluir de 2 colheres de sopa de água sanitária em 1 litro de água.

Caso você possua máquina de lavar, pode programar o ciclo completo de lavagem (lavagem, enxágue, secagem) de pelo menos 30 minutos com uma temperatura de lavagem de 60ºC.

Saiba como higienizar os alimentos antes de guardá-los na cozinha

A pandemia do novo coronavírus mexeu com os hábitos de higiene de todos. Uma rotina mais intensa de higienização de alimentos e produtos também passou a ser adotada por muita gente, o que até há alguns meses provavelmente não acontecia. 

O que fazer quando chegar das compras?

– Antes de cuidar dos alimentos e produtos, é necessário cuidar de si. Ao chegar em casa, tire os sapatos e troque de roupas. Não transite em casa com a mesma roupa usada na rua. Em seguida, lave as mãos e os braços até a altura do cotovelo.

– As sacolas plásticas e outras embalagens vindas de fora devem ser descartadas imediatamente. Depois disso, é hora de repetir o processo de lavar as mãos com água e sabão ou passar álcool 70%.

– Os alimentos embalados devem se desinfetados com álcool 70% ou lavados com água e sabão – no caso das embalagens que aguentam exposição à essas substâncias. Já os alimentos in natura, como frutas e verduras, devem ser lavados em água corrente e depois mergulhados em solução clorada, que deve ser feita com uma colher de sopa de água sanitária para cada litro de água. Em seguida, enxágue.

– Quanto às garrafas de vidro ou plásticas, a recomendação é que sejam higienizadas em água corrente e sabão e depois secas com papel toalha. 

Fonte: Jornal do Commercio (Pernambuco)

Homenagem do Iate aos trabalhadores essenciais

Mesmo com o isolamento social frente à pandemia do novo coronavírus, todos os dias milhares de pessoas se deslocam e mercadorias são transportadas, para garantir a disponibilidade dos serviços e dos produtos essenciais para a sociedade. São motoristas, cobradores, policiais, bombeiros, porteiros, motoboys, trabalhadores da limpeza, de segurança, do setor de alimentação e tantos outros segmentos.

O Iate Clube de Brasília agradece e parabeniza esses trabalhadores essenciais e também aqueles que se dedicam atuando em diferentes linhas de frente do combate à Covid-19, especialmente os profissionais da saúde e pesquisadores.

E, claro, não podemos deixar de homenagear os colaboradores do Clube, que mesmo durante o período de fechamento, em cumprimento aos decretos do GDF, têm se dedicado para a manutenção do campus, para a segurança dos bens, para o atendimento ao Associado e nas atividades administrativas da nossa instituição.

A todos vocês, nosso muito obrigado!

Academia dá dicas de treinos e de nutrição nas redes sociais do Iate

Para amenizar os efeitos do período de isolamento social, que pode causar stress e ansiedade, o exercício físico pode ser uma excelente ferramenta, trazendo melhoria da condição física e mental. 

São inúmeros os benefícios da prática regular de atividade física e manter uma regularidade na prática é fundamental para promoção da sua saúde global. Pensando nisso, os profissionais de Educação Física da Academia do Iate, prepararam um rico material para que os Associados possam se exercitar mesmo que o Clube ainda esteja com as portas fechadas. São exercícios funcionais, baseados nos movimentos naturais do ser humano, como pular, correr, puxar, agachar, girar e empurrar, todos eles adaptados para serem executados em casa, sem acessórios ou no máximo com itens facilmente encontrados nas residências, como toalhas, cadeiras e sofá, entre outros.

Os treinos estão sendo publicados toda semana, nas páginas do Iate Clube de Brasília no Instagram e no Facebook. Aproveite as dicas dos professores e se exercite em casa! Mas, lembre-se sempre da importância de respeitar os limites do seu corpo, pois cada indivíduo tem seu ritmo. Como as as atividades são feitas sem supervisão, tenha sempre muita atenção aos movimentos, para evitar lesões e, caso sinta dor ou cansaço, pare e descanse. 

Alimentos aliados – A nutricionista esportiva da Academia do Iate, Laura Bianca Pires, também está dando dicas de alimentação nas redes sociais do Iate. Confira os cinco alimentos que ela listou como aliados na redução do estresse e da ansiedade, que podem ser muito úteis especialmente neste momento de distanciamento social:

1. Abacate: além de ser uma excelente fonte de gordura insaturada, que auxilia na redução do colesterol “ruim” LDL, também é rico em Beta-sitosterol, um excelente modulador de estresse.

2. Cacau (presente no chocolate 70%): fonte de flavonóides, que gera maior efeito protetor do sistema cardiovascular, e Triptofano (precursor da serotonina), que promove bem estar.

3. Semente de abóbora: fonte de triptofano (precursor da serotonina), que gera bem estar.

4. Aveia: fonte de fibras solúveis, que auxiliam na melhoria do trânsito intestinal, favorecendo o crescimento de bactérias benéfica e triptofano (bem estar).

5. Chás camomila e mulungu: regulam o sono por terem ação no neurotransmissor (GABA), que auxilia na redução dos níveis alterados de cortisol. A recomendação é de 4g ao dia.