O prédio fica: disse o sócio na pesquisa sobre demolir Antiga Sauna

O prédio da Antiga Sauna é um tema que sempre ensejou muita controvérsia entre os gestores do Iate Clube. Localizada em uma das áreas mais nobres do Campus, diversas soluções foram apresentadas para o espaço, inclusive sua retirada, decidida em 2020 pela última gestão do Conselho Deliberativo, que determinou ao Comodoro da época que demolisse o espaço em um prazo de 90 dias.

Porém, demolir tal espaço demandava cautela: a estrutura é um edifício histórico, que vem dos tempos da fundação de Brasília. Além disso, a Orla do Paranoá é área de preservação ambiental, e uma série de órgãos governamentais precisavam ser consultados antes que qualquer ação mais drástica fosse executada, para evitar qualquer punição e prejuízo ao Clube. O Conselho Diretor do então comodoro, por sua vez, corretamente solicitou que tal decisão do Conselho Deliberativo fosse suspensa até que essas averiguações fossem realizadas.

Foi neste cenário que a nossa gestão assumiu o Conselho Deliberativo. Determinamos que o Conselho Diretor contratasse uma perícia técnica para avaliar a estrutura do prédio e a possibilidade de seu aproveitamento. O laudo técnico de engenharia indicou que a estrutura está em condições de ser mantida e reformada, e com as respostas dos órgãos governamentais sobre o assunto, decidimos ouvir o maior interessado, que é o nosso Associado.

Demolir uma estrutura histórica sem averiguar com o nosso quadro social qual a sua opinião sobre assunto não nos pareceu a melhor decisão, e por esta razão, determinamos que o Conselho Diretor realizasse uma pesquisa junto aos associados antes de tomar qualquer encaminhamento.

Na última quarta-feira (8), foi encerrada a consulta. A maioria dos associados que se interessou pelo assunto e manifestou sua posição através da pesquisa é contrária à demolição do espaço, 70% do total de votos, com apenas 30% apoiando a retirada do espaço para o plantio de grama.

Em sentido bem distinto, o associado deseja que o prédio seja reformado e destinado para uma nova atividade, posto que a opção de retomar o espaço como sauna novamente teve baixa adesão e foi a última colocada entre as opções sugeridas.

De forma reiterada, o sócio manifesta que manter o prédio é a melhor decisão. Nesse sentido, faz-se necessário alocar orçamento para o acabamento interno e externo da estrutura, e posteriormente se realizar as adequações ao uso que será destinado.
O fato é que não se pode perpetuar essa obra inacabada na arquitetura do Clube. O compromisso da atual administração é concluir a reforma e entregar ao uso do associado, e o Conselho Deliberativo irá apoiar no que for necessário para isso, sempre pautados pela transparência e compromisso com o melhor para o Clube e seu quadro social.

Por Edison Garcia
Presidente do Conselho Deliberativo