História e navegação

Você conhece as histórias que há por trás dos objetos náuticos que ornamentam o Clube? Já falamos sobre a âncora que ornamenta a entrada do Iate e, agora, apresentaremos alguns fatos sobre outras peças que compõem a nossa história.

Uma bomba de gasolina antiga pode virar um farol? Sim, é perfeitamente possível! A ideia veio do Sócio já falecido Oswaldo de Oliveira Marcondes, que doou a peça importada ao Clube em 1962. O atual farol do cais da náutica é, na verdade, um bomba de gasolina adaptada para ser o Farol de Navegação do Iate dada a semelhança entre as peças. 

Em junho de 1981, na gestão do ex-Comodoro Paulo Rubens de Moraes Jardim, o Farol do Cais recebeu o nome do seu idealizador, Marcondes, um grande incentivador da vela, principalmente da Classe Pinguim.

Outro item histórico do Clube é a lanterna náutica afixada no “Farol JK” na entrada do Restaurante do Farol. A peça foi doada ao Clube em 1993 pela Marinha do Brasil, durante o mandato do Comodoro Paulo Quintella, por intermédio do Comandante Altineu Pires Mingues, em razão da sua admiração pelo Iate e da grande amizade que nutria com os conselheiros iatistas Marcos Carraca e Filinto Pacheco, este último Diretor de Esportes Náuticos da época.

Originária da Suécia, estima-se que a lanterna tenha mais de 100 anos. O item pertencia ao Centro de Auxílios à Navegação Almirante Moraes Rego.

 

Presente também no nosso acervo histórico marinho está a bússola de um navio rebocador que integrava a frota do Porto de Salvador. Segundo o Comodoro Flávio Pimentel, que doou a peça ao Iate em 2011, o item tem mais de 50 anos. O objeto está afixado na escada do Espaço Gourmet da Náutica, cujo projeto arquitetônico foi idealizado e dado ao Clube pelo Sócio Filinto.