Conheça o atleta Iatista Felipe Rondina

O velejador do Iate, Felipe Rondina, 23 anos, começou a velejar em 2005, na classe Optimist, na Escola de Vela do Clube, por influência do irmão mais velho. Nesta classe, o velejador foi vice-campeão brasileiro, bicampeão brasileiro infantil e integrou a seleção brasileira por quatro vezes, para representar o país do Campeonato Mundial de Optimist. Depois, Felipe se dedicou à classe Snipe, na qual conquistou vários títulos nacionais e internacionais. 

No último ano, o atleta se destacou nos principais eventos nacionais na classe Olímpica Laser Standard. Ele foi Campeão Brasileiro e Campeão da Copa Brasil de Vela. Apesar de não ter barco próprio da classe Laser, Rondina velejou e venceu os dois campeonatos com barco emprestado por seus amigos.

Ainda esse ano, o Iate Clube de Brasília vai receber três barcos completos da classe Laser, comprados com recursos do Comitê Brasileiro de Clubes (CBC), através do edital nº 7. Segundo o Diretor de Esportes Náuticos, Flávio Martins Pimentel, Felipe Rondina será um dos candidatos à utilização desses barcos, visando treinamento e competições, com foco ao próximo ciclo Olímpico.

Devido ao seu histórico esportivo e recentes conquistas, Rondina foi convidado pela Confederação Brasileira de Vela (CBVela), para participar de um treinamento intensivo de alto rendimento, que aconteceu esta semana, na Marina da Glória (RJ), com os técnicos da CBVela e os principais atletas do país na classe Laser.

Felipe, também foi convidado na última semana, pela CBVela e pelo CBC, para participar de uma live sobre o esporte e sobre a importância do Campeonato Brasileiro Interclubes do CBC. Para assistir, é basta acessar o link: https://www.youtube.com/watch?v=HAZYISjZ8t0.

Para o futuro, o plano do atleta é continuar velejando o máximo possível, disputar os campeonatos no exterior, brasileiros, sul-americanos e continuar trazendo bons resultados para o Iate e para Brasília. “Agradeço primeiramente à minha família, que nunca mediu esforços para me ver competir e devo tudo a eles! Também gostaria de agradecer ao Guilherme Raulino e Marcos Carraca (in memoriam)”, disse o velejador.