Esclarecimentos sobre o período de isolamento social no Iate

Desde o início da pandemia e das resoluções do Governo do Distrito Federal para conter a proliferação do novo coronarívus, a Gestão do Iate está atenta e trabalhando para que os impactos para o Clube, para os colaboradores e para o Associado sejam os menores possíveis. “Pela primeira vez na história, o Iate Clube de Brasília fechou suas portas. Mas, continuamos trabalhando muito para mantê-lo em seu costumeiro padrão de excelência para quando pudermos novamente receber a Família Iatista”, disse o Comodoro Rudi Finger.

A jornada dos funcionários foi adaptada para que os serviços essenciais fossem mantidos, sempre respeitando as recomendações da Organização Mundial de Saúde. Desde o decreto que determinou a suspensão das atividades, em 18 de março, as equipes têm atuado na limpeza, manutenção, conclusão de relevantes obras e para garantir a segurança do patrimônio do Associado. O Conselho Diretor se mantém ativo, acompanhando as decisões governamentais e todos os seus desdobramentos e, a partir de então se reunindo semanalmente para determinar os rumos para o enfrentamento desta crise, jamais antes vista desde a fundação do Iate, há 60 anos.

Entre as resoluções, está a devolução dos valores proporcionais pagos pelos Sócios nas mensalidades de março do CIATE e da Academia. Também foram disponibilizados canais de atendimento para o Associado que desejar suspender temporariamente a matrícula. Para esses, não será cobrada a taxa de rematrícula quando as atividades desses setores forem retomadas. As escolinhas esportivas pagas também terão a cobrança das mensalidades suspensas até que o Iate seja autorizado a voltar a funcionar.

As mensalidades do Clube serão cobradas normalmente durante o período do isolamento social. Além da necessidade da manutenção dos compromissos já assumidos anteriormente pelo Clube, permanecem os custos de manutenção e dos salários dos funcionários. “Na reunião do Conselho Diretor do último sábado, dia 11 de abril, ficou definido que manteremos os contratos e salários de todos os nossos colaboradores, sem alteração, até o final deste mês de abril”, contou o Comodoro.

O último decreto publicado do GDF suspende as atividades dos Clubes de Brasília até o dia 03 de maio. “Continuaremos acompanhando de perto as definições do governo distrital. Caso o período seja prorrogado, voltaremos a analisar a situação e, se for o caso, a partir de 1º de maio, vamos estudar as possibilidades de redução de carga horária e salarial e suspensão de contratos por 60 dias, dentro da política da medida provisória 936/2020”, explicou Rudi Finger. “Entendemos que o momento exige a compreensão e parceria de todos. Nossos canais de atendimento continuaram funcionando para que o Associado possa tirar suas dúvidas. Manteremos também, neste período, nossos canais de comunicação ativos, para que as informações importantes e todas as resoluções cheguem a vocês rapidamente”, concluiu.